22 -July -2018
Adicionar aos Favoritos

Um obrigado ao voluntariado que não é louvado, não é noticiado, nem é pago!

O voluntariado é uma participação livre, desinteressada, responsável e ativa dos cidadãos na vida das comunidades, que se traduz numa relação solidária para com o próximo e na participação de soluções para a melhoria da qualidade de vida de toda a comunidade. Sem receber qualquer contrapartida pela sua entrega aos outros e à sociedade. 

Continuar... Um obrigado ao voluntariado que não é louvado, não é noticiado, nem é pago!

Viva a vida!

A finitude da vida humana, que é um processo inevitável que chega a todos inexoravelmente, sempre preocupou o homem. As religiões, as artes, as ciências e a filosofia tentaram sempre responder a esta questão, porém nenhuma delas conseguiu respostas completas e universais. Em termos filosóficos, a finitude humana é algo que para cada um de nós é certo, mas cujo momento desta ocorrer é bem incerto. 

Continuar... Viva a vida!

Os enfermeiros não são bem tratados

Só pode ser profissional de enfermagem quem possuir a licenciatura em enfermagem e tiver a cédula da Ordem dos Enfermeiros, que reconhece a sua competência científica, técnica e humana para a prestação de cuidados de enfermagem gerais. Estes profissionais estão obrigados a prestar uma assistência cuidada de nível superior, só que enfrentam na sua atividade um sistema injusto, extenuante e stressante, para além de terem uma escala de trabalhos pesados e desumanos.

Continuar... Os enfermeiros não são bem tratados

Somos o arquiteto do nosso futuro

A forma frenética de se viver nos dias de hoje faz com que fique por cumprir o preceito rigoroso da felicidade que é apreciar a vida e saborear lentamente cada momento que passa, para que o amanhã não chegue muito depressa. Neste tempo em que é quase tudo tão volátil é preciso estar ancorado e viciado na vida e espalhar alegria na embriaguez da felicidade.

Continuar... Somos o arquiteto do nosso futuro

A felicidade dos portugueses está cinzenta

Desde o século XVIII que a ideia da felicidade começou a ter lugar de destaque no pensamento político. A procura da felicidade passou a ser considerado um “direito do homem”, como está consignado na Constituição dos Estados Unidos da América, que data de 1787 e foi redigida sob a influência do Iluminismo, também conhecido pelo século das Luzes, que foi um movimento cultural europeu desse período importante da história da humanidade.

Continuar... A felicidade dos portugueses está cinzenta