15 -November -2018
Adicionar aos Favoritos

Políticas excecionais exigem políticos excecionais!

Neste momento, em que os portugueses são chamados mais uma vez a votar, a primeira reflexão que tem de ser feita é à volta do que o governo fez, do que deixou de fazer e do que terá de ser feito nos próximos tempos. É para isso que servem as eleições; para julgar a governação com liberdade, inteligência e sem qualquer sofisma. Sempre na convicção de que o voto não tem dono.

Continuar... Políticas excecionais exigem políticos excecionais!

Mais do mesmo? Não, obrigado!

Sempre que há eleições, os candidatos que pretendem o nosso voto, dizem sempre a mesma frase, que também já se começou a ouvir nesta campanha eleitoral: «estas eleições são as mais importantes de sempre». É verdade que estas eleições, são as mais importantes de sempre, não só pela situação em que o País se encontra, mas também pelo futuro de Portugal.

Continuar... Mais do mesmo? Não, obrigado!

Ou mudar de lugar ou de paradigma de governantes

A estratégia de um país é um farol, ou um fio condutor, que deve orientar um povo e os responsáveis pelo poder político, que têm o compromisso de garantir e assegurar a estabilidade social, o crescimento económico e a independência nacional. Mas, o sucesso de um país, está sempre dependente do rumo, da forma, do projeto e da adesão nacional.

Continuar... Ou mudar de lugar ou de paradigma de governantes

Câmaras Municipais falidas

O País está dividido em Municípios, que têm origem na organização política criada pelos romanos, tendo-se mantido ao longo dos séculos como as estruturas básicas de organização local das populações. Talvez a divisão administrativa mais consistente e tradicional do País seja a municipal.

Continuar... Câmaras Municipais falidas

Uma solução para Portugal: precisa-se!

A instabilidade governativa, que tem assolado o nosso País ao longo das mais de três décadas de democracia, tem sido uma constante que é preciso eliminar da nossa vivência democrática, se quisermos ter um futuro menos hipotecado. Não se pode estar, permanentemente, em atos eleitorais para se escolher os nossos governantes.

Continuar... Uma solução para Portugal: precisa-se!