15 -February -2019
Adicionar aos Favoritos

“Está a chegar o Metro à Trofa”

Os problemas causados pela falta de transporte ferroviário, cujos serviços foram interrompidos em 2002 devido à construção do Metro de Superfície do Porto, têm sido muito penalizantes para as populações da Trofa. Quase uma década de sofrimento. Assim tem sido entendido por vários atores da governança central e local, que se têm manifestado no decorrer dos tempos.

Continuar... “Está a chegar o Metro à Trofa”

Juntas de Freguesia: repensar ou acabar?

 

O espaço territorial português está a necessitar, provavelmente, de uma nova redefinição dos seus limites e estruturas pois mantém-se quase inalterável, há quase dois séculos, nas suas fronteiras nacionais e regionais. A divisão administrativa contém situações anacrónicas como a existência de muitos Municípios com escassa população mas com poderes e meios financeiros significativos. Em contraste, a existência de muitas Freguesias, que chegam a ter dimensões descomunais, em termos populacionais, mas com reduzidas competências reais e parcos recursos financeiros.

Continuar... Juntas de Freguesia: repensar ou acabar?

Andam a azucrinar a vida das pessoas

 

A carga tributária elevada, que os cidadãos “carregam” através de vários impostos, deveria servir para que os detentores do poder, no governo e nas autarquias, assegurassem uma qualidade de vida digna aos portugueses. Mas, não é essa a realidade, pois a prestação de serviços que o estado presta aos cidadãos, está muito longe de se poder apelidar de qualidade.

Continuar... Andam a azucrinar a vida das pessoas

Crise? Qual crise?

 

É opinião quase generalizada, que Portugal suporta uma grave e duradoura crise económica e financeira, que poderá originar fenómenos sociais muito graves. Todos os estudos económicos, nacionais e internacionais, indicam isso mesmo. Mas, como se poderá falar de crise, se Portugal foi o sétimo país europeu que, desde o início do ano, mais dinheiro gastou em transferência de futebolistas?

Continuar... Crise? Qual crise?

Nestas férias, “fui para fora cá dentro”

 

Também para ajudar a combater a grave situação de crise, que nos “bateu à porta”, eu e a minha namorada de há mais de trinta anos, decidimos ir gozar umas férias no interior do País. Começamos pela Beira Alta, depois fomos ao Douro Vinhateiro e Trás-os-Montes e terminamos no Minho.

Continuar... Nestas férias, “fui para fora cá dentro”