22 -July -2018
Adicionar aos Favoritos

A desresponsabilização pelo passado

O primeiro-ministro, que é também secretário-geral do partido socialista tem sido bafejado pela sorte por estar a haver uma ligeira retoma económica provocada pela baixa significativa das taxas de juro e pela pujança do comércio internacional. Tudo isto conjugado com uma imprensa muito suave e uma oposição fragilizada tem ajudado António Costa a passar por entre os pingos da chuva nas muitas situações graves que o país tem vivido.

Costa que perdeu as eleições, com uma das mais baixas votações de sempre do partido socialista e que será recordado pela sede desmedida de ser governo a todo o custo continua a estar obcecado pelo poder e a alimentar a sua vaidade desmedida ficando cego, autista e um político perigoso, na pior linha do «socratismo». Exemplo disso é o seu comentário à vitória de Rui Rio nas eleições internas do PSD afirmando que «não será muito difícil ser melhor» que Passos Coelho.

Os políticos que originaram a bancarrota do nosso país em 2011 pertenciam a uma equipa comandada por José Sócrates (o pior primeiro-ministro que Portugal teve em democracia), que tinha como seu número dois o atual primeiro-ministro, António Costa, mas também Augusto Santos Silva e Vieira da Silva, atuais ministros do governo de Portugal. Quando olhamos para a televisão também encontramos diversos membros dessa equipa de políticos incompetentes a comentar a atualidade política, como se fossem os arautos da verdade. 

Estes socialistas com o seu «cabotismo» e vaidade, todos eles emproados como pavões falam de ética e moral como se fossem os arautos da honestidade e da verdade, mas esquecem-se que foram eles que nos deixaram um presente envenenado e um futuro hipotecado. António Costa e os seus camaradas de então e de agora desempenharam um papel importante naquilo que aconteceu a Portugal e aos portugueses, mas têm a desfaçatez de tentar ignorar que foram eles que fizeram um apelo à «troika», para nos vir salvar.

A desresponsabilização pelo passado tem sido uma das mais graves debilidades do nosso país e António Costa tem sido um dos principais obreiros, quando ataca sistematicamente o seu antecessor, com o intuito de branquear um passado que deve ser recordado, para que não volte a acontecer o mesmo descalabro das contas públicas, como aconteceu no malfadado «socratismo». Infelizmente!

António Costa tem demonstrado, para além da falta de ética, uma falta de sentido patriótico, ao assinar a posição favorável do partido socialista a listas transnacionais nas eleições europeias. Se assim acontecer haverá uma redução do número de deputados eleitos em cada país, incluindo Portugal. Com esta posição, Costa atraiçoou os países médios e pequenos demonstrando ser um joguete dos poderosos alemães e franceses. É António Costa no seu melhor! 

Crónica escrita em 20/01/2018, para ser publicado no Jornal “O Notícias da Trofa”, tendo em atenção as regras do novo acordo ortográfico.